Auschwitz: a exibição do terror

  • 30/12/2016
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

Campos de concentração? Por que raios alguém sai de casa e gasta dinheiro para visitá-los? Com tantas praias bonitas, montanhas, lagos museus e prédios históricos espalhados pelo mundo, pra que visitar um local onde morreu tanta gente inocente?

DSC02399

DSC02368

No meu caso, além da importância histórica inegável, acredito que lugares como esse não devem ser esquecidos. Muito pelo contrário. Devem estar vivos em nossas memórias para que, aos primeiros sinais de algo parecido, possamos nos prevenir desse tipo de barbárie. Não vou mentir, a visita é pesada, impressiona tamanha brutalidade e frieza, pelos atos desumanos que ocorreram ali, mas se eu puder passar a lição para amigos e familiares (e também pra você que lê esse post), acredito que já vai ter valido a pena.

DSC02325

Na noite anterior, eu havia encarado um trem noturno desde Praga, a capital Tcheca. Na mesma cabine estavam dois australianos gente boa que gostavam de conversar. Chegamos em Cracóvia pela manhã, desembarquei do trem e segui até a estação rodoviária. De lá peguei um ônibus e após 90 minutos eu estava em Oswiecim, a cidade que abriga Auschwitz.

O campo de concentração era algo que eu fazia questão de visitar desde que planejei o roteiro, não para sentir o sofrimento alheio, mas para ver o que o ser humano é capaz de fazer, para tentar entender até onde vai a maldade empunhada pela ignorância soberana de quem tem o poder. E eu vi tudo isso.

DSC02334

DSC02346

DSC02336

Auschwitz I foi o parque de diversões do diabo. No portão de entrada as inscrições “Arbeit Macht Frei” (O Trabalho Liberta) indicavam o que supostamente seria um campo de trabalho mas que, na verdade, revelou-se um campo de extermínio em massa.

DSC02322

São vários pavilhões que mostram como viviam os que eram presos e exibem utensílios, objetos pessoais, sapatos, malas e toneladas de cabelo humano – que eram usadas para preencher colchões, travesseiros, na indústria têxtil e até mesmo nas construções. Pasmem. Há também o muro de execução, o crematório e a câmara de gás. Para quem tem um pingo de sensibilidade, o clima já é pesadíssimo e é difícil crer que tudo aquilo foi verdade. Nos corredores há fotos com a identificação das vítimas cujos olhares viram coisas que jamais suportaríamos ver. Quando a visita a Auschwitz I finalmente terminou, lembrei-me que ainda tinha Auschwitz II – Birkenau para visitar.

DSC02350

DSC02356

DSC02362

DSC02363

DSC02365

DSC02387

DSC02393

Birkenau era uma enorme extensão do terror. Localizado a apenas 3 km do anterior, foi o “fim da linha” para muitas vítimas que desembarcavam do trem já ali dentro do campo. O complexo podia abrigar até 200 mil presos simultaneamente e possuía quatro câmaras de gás. Um grande memorial foi instalado ao final da linha férrea, em homenagem às vítimas exterminadas pelos nazistas.

DSC02405

DSC02408

DSC02416

DSC02422

DSC02436

DSC02444

Os números de Auschwitz são assombrosos. O total de mortos passou de 1,5 milhão – dos quais 90% eram judeus. Ainda tentando digerir o episódio, peguei o ônibus de volta para Auschwitz I, de onde retornei para Cracóvia.


Veja a galeria


Este é o 46º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Praga: conheça a fascinante capital da República Tcheca

Leia o post seguinte: Um tour a pé por Cracóvia


Evite filas!!
Compre antecipadamente seus ingressos e passeios para Auschwitz


Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


3 respostas para “Auschwitz: a exibição do terror”

  1. […] Leia o post seguinte: Auschwitz: a exibição do terror […]

  2. […] Leia o post anterior: Auschwitz: a exibição do terror […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline