Ferrari é mato! (Monte Carlo, Mônaco)

  • 18/07/2016
  • comentários
  • Por: Guilherme Goss De Paula

Como vocês já sabem, eu estava hospedado em Milão na casa de um grande amigo. Pulei da cama às seis da manhã para aproveitar bem o dia. Feita a peregrinação até a Centrale, peguei o trem que seguiu até Ventimiglia, na fronteira com a França. Após uma breve espera para pegar o outro trem, segui viagem curtindo as fantásticas paisagens da Costa Azul – separados por coqueiros abundantes, de um lado as construções nas encostas e, do outro, o azul royal do Mediterrâneo – até chegar na luxuosa cidade de Monte Carlo.

DSC09842 - Cópia

Costa Azul

Assim que deixei a estação, já pude ver os guardrails sendo montados para o GP de Formula 1 que aconteceria em algumas semanas. Seguindo na direção do cassino, pude apreciar do alto, a tão famosa marina com iates enormes e luxuosos.

DSC09857 - Cópia

Já em frente ao Casino Monte Carlo, construído em 1879, vi algumas pessoas cercando um veículo que estava entre Posches e Ferraris. Cheguei perto pra ver e tratava-se de um supercarro sueco, Koenigsegg CCXR Edition, que certamente estava lá a fim de encontrar compradores. O preço? A bagatela de €1.500.000,00. O carro atinge mais de 400km/h e sua média de consumo é de 5km/l. Caso você se interesse, já tem algumas informações – e depois me convide pra dar uma volta!

DSC09877

DSC09872

Atravessando a rua, ficam os Jardins des Boulingrins. É uma praça de paisagismo impecável, formada por espécies de plantas e flores exóticas. Não há sequer uma folha fora do lugar. Varandas e fontes complementam a beleza da praça que neste dia estava rodeada por umas seis ou mais Ferraris que faziam questão de desfilar em comboio.

DSC09894

DSC09882

Fiz o caminho de volta, contornando a marina, para conhecer o outro lado, onde fica Mônaco-Ville, a capital do Principado. Vi, bem de pertinho, bilhões de euros em forma de iates luxuosíssimos. Estava procurando um acesso para o Palácio quando acabei entrando em um túnel, equivocadamente. Por um caminho íngreme fui subindo até chegar ao lado do Palais Princier que é a residência atual do Príncipe de Mônaco e abre ao público para mostrar seus apartamentos, uma série de objetos de Napoleão e a coleção de carros antigos de Rainier III, falecido pai do atual Príncipe Alberto II.

DSC09949

Conheci a Cathédrale de Mônaco que guarda os restos mortais de Grace Kelly (atriz americana que se tornou princesa) e fui até o Musée Océanographique que possui, entre outras coisas, um dos maiores aquários da Europa, um lago de tubarões e um esqueleto de baleia.

Continuei pelos Jardins de Saint-Martin observando, de cima do penhasco, outra marina e a área industrial, chamada Fontvieille. Já pelas ruelas ao redor do palácio, existe bastante comércio, bares e restaurantes, o que torna a caminhada bastante prazerosa.

DSC09948

DSC09951

Como estava cedo, decidi ir mais uma vez na região do cassino. Sim, caminhei bastante para ir de um lado ao outro, ou melhor, de uma cidade à outra. Lá chegando, sem informações, resolvi entrar para perguntar sobre o acesso. Paguei €10,00 e entrei. Sinceramente, as salas que tive acesso não achei grande coisa – nada que se compare aos grandes cassinos de Las Vegas, nem ao Conrad de Punta del Este. Eu quis, obviamente, testar a minha sorte mas a máquina não quis aceitar a nota que eu tinha. Paciência. Eu esperava mais máquinas, mais mesas, enfim… Talvez não seja um cassino para turistas, mas valeu a pena conhecer.

Parti para estação e, ao comprar dois chocolates em uma daquelas máquinas cheias de comilanças, a mesma jogou minha moeda de volta e liberou os chocolates grátis – podia ter uma máquina assim no cassino também, não é mesmo?

Embarquei para Milão, mas a viagem foi demorada. Primeiro, o trem teve problemas e atrasou a viagem em 45 minutos. Já na cidade, peguei o metrô numa boa mas, por causa do horário, o tram que eu estava saiu de circulação no meio do trajeto – sem contar o condutor que me negou informações – e o outro tram custou a chegar. Quando cheguei no apartamento do Décio, todos já estavam dormindo. Aproveitei para descansar também pois, no outro dia cedo, embarcaria para Veneza.

Veja mais fotos na galeria abaixo


Este é o 28º post da série Mochilão na Europa I (28 países)

Leia o post anterior: Passando o dia em Turim (Itália)

Leia o post seguinte: Bate e volta em Veneza

Ou acesse o índice com todos os posts dessa série!


↓ Salve esse Pin e siga também nosso Pinterest!


Para a sua viagem

Reserve seu hotel pelo Booking.com
Alugue seu carro pela Rentcars
Compre seu chip internacional Mysimtravel
Viaje sempre protegido com Intermac Seguros
Evite filas comprando antecipadamente seus ingressos e passeios pelo Viator
Prefere uma ajuda profissional para sua viagem? Entre em contato com a Reisen Turismo

Ao utilizar esses links, você ajuda o blog a crescer sem pagar nada a mais por isso!





Booking.com





Guilherme Goss De Paula

Nascido em Tupã, no interior de São Paulo, sua primeira experiência internacional foi um intercâmbio na Alemanha - onde despertou seu interesse por conhecer o mundo. Trabalhou com turismo nos EUA, no Amazonas e em Santa Catarina. Graduou-se em Turismo e Hotelaria e abriu sua própria agência de viagens. Sempre em busca de novos destinos, acumula passagens por mais de 60 países. Como escritor-viajante, já participou de diversas edições dos guias O Viajante, além de ser colaborador voluntário dos sites TripAdvisor e Mochileiros.com. Sua melhor viagem é sempre a próxima!


3 respostas para “Ferrari é mato! (Monte Carlo, Mônaco)”

  1. […] Leia o post seguinte: Ferrari é mato! (Monte Carlo, Mônaco) […]

  2. […] Leia o post anterior: Ferrari é mato! (Monte Carlo, Mônaco) […]

Deixe uma resposta

Inline
Inline